sábado, 31 de dezembro de 2011

Feliz Ano Novo

A todos os seguidores deste blog, os meus mais efusivos cumprimentos e desejos de um Ano Novo de prosperidade e realizações


A Tela da Reflexão
Manoel Messias Pereira

Te procurei

Caminhei. . .
procurei - o
por todo os cantos da vida
não te encontrei
mas já desconfio
de seu destino
em outros braços
com outros beijos.




Manoel Messias Pereira
poeta
São José do Rio Preto-SP

Que durmam as horas. . .

Deixa que durmam as horas
o sono do tempo infinito
em naves de pétalas brancas.
velejam sonhos de amores perdidos. . .
Deixa morrer o instante fugidio
na carícia ilusória das massas
Deixa que se toquem todas as mãos,
que se unam todas as bocas
e, põe a ouvir o Silêncio
Exato,






Armida Crocillo

professora de italiano e poetisa
Mirassol-SP.

Vestes

Visto-me com o aroma dos seus lábios
E sinto-me como a'lma dos mais sábios
Aroma trançado com esperança
Aroma tingido com lembrança
No tear do meu amor
Com fios de virgem flor...
O puro sentir é sentido
A alma despida é banida
Os pedaços já são inteiros
Os cavalos, já cavaleiros
Mentiras jazem em jardins
O perfume perfuma enfim
E o fim é início em mim




Bevilar Barbosa de Oliveira  Junior
poeta

São José do Rio Preto-SP

Fatos Históricos, Políticos, Sociais, Artísticos e Literários

Em 31 de dezembro de 1947 - Nasceu a cantora e compositora brasileira Rita Lee

Em 31 de dezembro de 1948 - Nasceu a cantora estadunidense Donna Summer

Em 31 de dezembro de 1958 - Sob o comando de Fidel Castro e Ernesto Che Guevara, os guerrilheiros tomaram Havana, no sonho de uma revolução.

Em 31 de dezembro de 1965 - Nasceu a cantora brasileira Fernanda Porto
Em 31 de dezembro de1990 - A Federação Internacional de Jornalismo - FIJ, revelou que 83 jornalista havia falecido em 1991 em serviço, na busca de melhor informar a população.


Em 31 de dezembro de 1997 - Faleceu Leonardo da Fonseca Barbosa, o músico e compositor Capiba.

Em 31 de dezembro de 1999 - O presidente da Rússia,  Boris Ieltsin, demite-se de seu mandato seis(6) meses antes do termino de seu mandato.
Em 31 de dezembro de 2004 - Faleceu o renomado economista francês, Gerard Debreu


Em 31 de dezembro de 2009 - Faleceu o camarada Vasco ou Antonio Roberto Vasconcelos, militante e dirigente comunista rio-pretense. Foi padeiro e fundou o Sindicato dos padeiros, foi militar, formado em marxismo na Universidade Patrice Lumumba URSS. Era um ser humano de análise política materialista histórica dialética. Em Campo Grande liderou, um encontro de todos os terreiro de Umbanda e candomblés em Praça Pública, devido as perseguições que sofreram os adeptos aos cultos afros em relação a repressão do próprio Estado. Embora materialista. A comunidade Afro -brasileira também aprendeu a esquecer os lutadores da liberdade, nunca vi, ninguém desta comunidade lembrar disto em São José do Rio Preto.

Fim de Ano em São José do Rio Preto-SP

A cidade de São José do Rio Preto terá esse ano, seguindo a tradição de anos anteriores a tradicional queima de fogos, as margens da represa, e para o público presente um show com o cantor Jair Rodrigues.
Jair Rodrigues
Jair Rodrigues - Cujo o nome de batismo é Jair Rodrigues de Oliveira, natural de Igarapava-SP, criado em Nova Europa e São Carlos, cantor que surgiu na época dos festivais, apresentando-se com a cantora Elis Regina. Canta samba, seresta, sertaneja, é um cantor versátil, que tem como filha a também cantora Luciana Melo e o instrumentista e cantor Jair de Oliveira. Um evento que merece ser visto.






Negra Lee
Na Zona Norte de São José do Rio Preto-SP, a população vai poder assistir ao show musical de Negra Lee, cujo o nome de batismo é Liliane de Carvalho, nascida em São Paulo, filha de uma professora da rede municipal de ensino. Negra Lee, além de cantora é também atriz, dançarina, foi solista do Coral da USP e pianista. Casada com o músico Carlos Cresio Junior, com quem tem uma filha chamada Sofia.

Dois bons espetáculos, para proporcionar uma festa de final de ano, e princípio de Ano Novo, 2012, de maineira inesquescível.



Manoel Messias Pereira

Candomblé en la Roma Negra: La danza de Oxossi


Candomblé en la Roma Negra: La danza de Oxossí


Cada ciertas noches en algún rincón de Salvador de Bahía, Brasil, descienden los orixas a encarnarse en el cuerpo de sus seguidores. Son las rodas del candomblé, religión sincrética que tiene un altar de santos católicos con orixas de origen afro. Si hace poco más de un siglo eran perseguidos, hoy son cada vez más los cuerpos de mujeres y hombres de diferentes razas dispuestos a ser por un rato morada de los dioses.

Cae la noche de un jueves y sobre una colina del barrio Federação, al lado de un canal de televisión, frente a una cervecería y una tienda de comida rápida comienzan a llegar los devotos de Oxossí.

Es el Terreiro do Gantois, uno más de los miles de espacios religiosos consagrados a los orixas en Salvador de Bahía, la tercera ciudad más poblada de Brasil, donde el 70 por ciento de sus casi tres millones de habitantes son afro descendientes. A diferencia de la evidente multitud negra que se desparrama por la ciudad con más población afro fuera de África, a esta celebración llega casi igual número de blancos, negros o pardos.

Unos 3 millones de brasileros (1,5% de la población) declaran el candomblé como su religión. Pero en Salvador de Bahía se concentran estos ritos y muchas otras variantes sincréticas de la mixtura de tradiciones africanas, católicas e indígenas. No por nada la ciudad es llamada la Roma Negra.

El templo es una casona blanca, contorneada con guirnaldas de luces y una bandera blanca flameando sobre su fachada, sobre la que se diseñó un poco más abajo unos pequeños triángulos que juntan sus cabezas y sostienen una cruz.

Al terreiro le pesa una historia de 147 años. Una placa junto a la puerta anuncia que es sede de la Sociedade Sao Jorge do Gantois. El templo se levanta junto a un plaza de suelo de piedra con una jardinera circular en su centro que alberga un mango gigantesco entre una selva de plantas. Otra placa puesta allí dice que recuerda a la mae-des-maes Menininha. Lo firma la Prefectura Municipal.

El ritual comenzará en un par de horas y se observa mucha gente adentro de la casona en gran actividad. Unos jóvenes cuelgan adornos de hojas secas muy parecidos a los usados en los domingos de ramo católicos; se saludan afectuosamente, conversan, una mujer lleva con prisa una plancha y otra vende collares azules.

Las paredes, la ropa de los feligreses y hasta las bombillas de luz son blancas y refulgen en medio de la noche. Blancas como el azúcar, el dulce y preciado producto cuya demanda en la Europa colonial convirtió a los portugueses en traficantes oficiales de esclavos a partir de 1559.

EL ALMÍBAR Y LAS CADENAS

Sin el blanco almíbar y su sangrienta historia ni el candomblé, sus orixas y su povo-do-santo (fieles) existirían. Se calcula que sólo a Bahía llegaron 1 millón 200 mil africanos entre 1559 y 1850. Muchos otros murieron en los galeones atiborrados que los traían desde Angola y Costa de Guinea para trabajar en los ingenios azucareros del nordeste de Brasil.

Un cálculo de 1835 estimaba que el 42% de la población de Salvador era esclava, o sea, unas 27.500 almas. El primer censo de Brasil, efectuado en 1872, señala que de los 108.138 habitantes de la ciudad, el 11,6% era esclavo.

De África no sólo traían sus cuerpos, también trajeron su comida, adornos, danzas, música y religiones. Estas se diferencian de acuerdo a la ‘nação’ de origen. Cada una tiene sus propias divinidades, atabaques (tambores) y lengua usada en los rituales. La que más perduró fue la nação keto.

Una crónica de 1763 ya cuenta que se hallaron ‘feticeiros’, nombre dado por las autoridades a los espacios de candomblé, cuando se destruyó el quilombo do Buraco do Tatu. Hasta bien entrado el siglo XIX los negros mantuvieron sus rituales secretos desparramados en las afueras de la ciudad junto a los quilombos (espacios organizados por esclavos fugitivos). Allá en la periferia, los negros estaban lejos de la mirada de los señores, la iglesia y la policía intentando sobrevivir junto a blancos pobres, pardos y mestizos.

En 1830 las mae-do-santo Adêta, Iyakalá e Iyá Nassô crean el candomblé do Engenho Velho, el más antiguo reportado.

Rito a rito la religión clandestina fue bordeando la ciudad en sus bordes. La investigadora Iris Salles sostiene que los núcleos formados por antiguos candomblés originaron los diversos barrios de Salvador: Si la toponimia del centro de las ciudades refiere a iglesias, conventos y denominaciones cristianas, en la periferia los nombres fueron hilvanados por la memoria afro.

El barrio de Cabula recuerda a una secta africana perdida en el tiempo; el de Beiru se conecta con ‘hiru’, rabo de buey (rabo de boi), insignia de Oxossí; el sector de Bogum, recuerda a Ogum, orixa de la guerra y los metales; o el viejo barrio de Gunucô, derivado hoy a Bonocô, creció en torno al terreiro consagrado a Baba Igunnuko.

En 1937 el Congreso Afro-brasilero celebrado en Bahía pidió el reconocimiento oficial del candomblé. Un año después muere mae Aninha del terreiro Axé do Opô Aponja y cinco mil bahíanos van a despedirla a su axexe, la ceremonia fúnebre. A medida que los viejos que mantuvieron la tradición bajo la persecución iban muriendo la religión crecía aún más.

El cronista Afranio Peixoto cuenta que en 1946 hay unas 20 sectas de candomblé en Salvador y que casi todos los días encuentra en la calle del barrio de clase media de Paissandu gallinas negras muertas y aceite de dendê (palma). Dos años antes, el autor de ‘Doña flor y sus dos maridos’, Jorge Amado, contó 117 candomblés. En 1960 la policía ya registra 611.

La religión crece entre los bahíanos a medida que es aceptado por las autoridades. Una ley federal de 1975 protege los terreiros de candomblé y el 2007 un decreto municipal los reconoce como patrimonio histórico y cultural.

Una pesquisa reciente de la Universidad Federal de Bahía identificó 1.408 terreiros en Salvador. Algunos barrios albergan más de 20, como el de Plataforma que tiene 57 o el de Cajazeiras con 46. El crecimiento experimentado por la religión de origen afro ocurre en las últimas décadas, fundándose 677 terreiros entre 1990 y 2000.

UNA PUERTA ABIERTA



Terreiro do Gantois en Salvador de BahíaA eso de las 8 de la tarde se abre la puerta del templo y un anfitrión convida a pasar. Las paredes del espacio son blancas y frente a la puerta de entrada, cruzando el salón, está otra que conduce a habitaciones interiores. Del techo cuelgan guirnaldas de papel blanco y plumas de pavo real. Representaciones a escala de esta ave con patas y plumas azules cuelgan de las paredes apuntadas por varias Ofá, insignia que asemeja un arco con una flecha. El pavo es el ave de la paz.

Al entrar se separa a los hombres a la derecha y las mujeres a la izquierda. Sobre el piso se han desparramado hojas de mangos, almendros y otros árboles, manteniéndose un círculo al centro del espacio. Todas las ventanas están abiertas y las cortinas verdes recuerdan que el templo tiene la protección de Oxossí, orixa de la caza y la selva que el sincretismo lo iguala a San Jorge.

Como el proceso de reelaboración de las religiones de sus ancestros africanos por parte de los esclavos fue prohibido por los católicos, los orixas fueron disfrazados de santos, lo que rompió los límites entre sus creencias y el catolicismo. Hoy no es raro hallar en los altares de candomblé santos católicos.

En la esquina izquierda hay una estatua negra que oculta su rostro con un pañuelo y ropas doradas. Lleva en su mano derecha un espejo y en la izquierda una espada. Es Oxum, protectora de la casa. Al otro costado una silla para la mae-do-santo de madera aguarda delante de una estatua de San Jorge y una sirena pintada en la pared. A su costado los tambores esperan las manos del oga alabe (percusionista) para palpitar.

En las religiones de origen afro no hay jerarquía más allá del templo y no se hace proselitismo. El rito se ha transmitido oralmente y no tienen sus preceptos codificados en un libro sagrado.

LOS GUARDIANES DE LA NATURALEZA

Olorum es el creador de los orixas, divinidades guardianes de los elementos de la naturaleza. En el vértice superior del triángulo de este universo está Olorum; a un costado izquierdo los orixas, representados como fuerzas cósmicas; y al derecho los egungun, los antepasados. En la cara baja del triángulo está el universo material.

Entre los orixas más conocidos están Xango, divinidad del rayo y del trueno; Oxumã, del agua dulce, la fertilidad y la riqueza; y Oxossí, guardián de la caza y la selva. También están Exu, Ogum, Obaluaiê, Ossaim y Iemanjá entre otros 600 orixas primarios. Algunos bajaron a la tierra antes de convertirse en espíritus divinos.

En la cosmovisión afro el cosmos es un conjunto de fuerzas jerarquizadas en constante interacción. El ser humano es uno más, mantiene diálogo con los otros componentes y al nacer es escogido por un orixa que será su patrón.

A través de un babalorixá se podrá identificar a nuestros orixas, a quienes les agrada recibir homenajes, sean ofrendas de animales o piedras preciosas. Cuando alguien acepta su orixa se inicia en el candomblé.

Delmario es iniciado y tiene el cabello rapado. Su rector es Oxagia, un oxala joven, según relata. Es blanco, vive en Nueva York y cuenta que el candomblé no exige ser descendiente africano para practicarla. “Como llegué acá un día llegan todos. Y quienes sienten el llamado se inician”- cuenta.


Pulquéria da Conceição Nazaré y Maria Julia da Conceição NazaréThiago es coordinador de una carrera del área de la salud de la universidad local. Tiene 33 años y llegó al templo con una amiga en 1997. Se reconoce cristiano y creyente en orixas. A su juicio los principios universales de la religiosidad se manifiestan para todos los pueblos. El llamado lo sintió internamente y destaca lo festivo y alegre del ritual. “El candomblé no tiene una visión moralista de lo bueno y lo malo, como otras religiones cristianas – sostiene Thiago – para nosotros más bien es acción y reacción. Lo que se hace, se recibe. Las cosas acontecen”.

William, terapeuta reiki y seguidor del candomblé, resume en una palabra esta religión Made in Brasil: “Vivimos desde que nacimos en esta mixtura”. Cuenta que es hijo de padres católicos “pero vivo en un país mestizo”- reflexiona.

La iniciación es con el pai o mai-de-santo, quien los acoge como filho (hijo) entre los otros devotos, quienes serán sus parientes religiosos. A diferencia de la familia tradicional, a ellos los unen vínculos sagrados y pasan a formar parte del povo-do-santo.

Para recibir el santo se precisa de un periodo de reclusión mística, ritos de pasaje como el raparse el cabello o cambiarse de ropa. También deben ofrecerse sacrificios a los orixas. A medida que se avanza las divinidades se posesionan del iniciado. Esta posesión por siglos fue anatomizada por los católicos como prácticas demoníacas. Ellos les llamaban recibir el santo. William responde “nosotros simplemente no creemos en el demonio”.

EL RUM Y LA MAE-DE-MAE

Un golpeteo fuerte del rum, el tambor mayor, da el inicio para que los atabaques empiecen a palpitar. De inmediato es seguido por el rum-pi y lé, los otros tambores de la ceremonia.

A medida que avanza el ritmo entran mujeres descalzas con vestidos blancos largos y enanchados sobre las piernas. Danzan haciendo un círculo sobre las hojas desparramadas en el piso moviendo los brazos con las manos abiertas desde fuera hacia dentro. Al pasar frente a los atabaques se postran. Luego hacen lo mismo ante el trono de la mae. Hay negras, pardas y blancas en igual proporción.

A una indicación de los atabaques saltan y besan el suelo. Al rato a los tambores se suman los cantos en yoruba y cuando ya el ambiente está armado por la puerta del fondo entra mae Carmen, vestida de blanco entera y con una estola celeste, acompañada de otra mujer con una estola roja.

Mae Carmen continúa el linaje de mae María Julia da Conceição Nazaré, iniciado a mediados del siglo XIX en este terreiro y que continuó su filha, mae Pulquéria da Conceição; y luego mae Gloria, madre de mee Menininha do Santós y abuela de mae Carmen. Un matriarcado de más de un siglo. La mayor parte de los terreiros de candomblé está liderado por mujeres.

Mae Carmen tiene unos 60 años y es parda. Gruesos aros de oro cuelgan de sus orejas y de su cuello tres collares azules, color que también gusta a Oxossí. Cuando pasan ante ella las danzantes se arrodillan y ella asiente con las manos. En algo ha cambiado la historia por esta vez: los blancos se arrodillarán ante una negra.

Al finalizar cada roda los danzantes e iniciados tocan el suelo con el pulgar y luego su frente. Luego vuelven a danzar potenciando el axé (energía mítica) que protege a los miembros del terreiro. Los tambores que no paran. No hay silencio en este ritual.

La siguiente danza las mujeres salen con jarrones con flores multicolores sobre sus cabezas. Esta vez extienden la danza hacia la plazoleta, rodean el mango y vuelven al templo por la puerta principal. Ahora hay hombres en la roda, vestidos con túnicas blancas o de colores. De a poco empiezan a entrar los orixas.

OFRENDA A LOS ORIXAS

Pasada la medianoche la fiesta sigue en el terreiro. Y cada vez son más los rodantes, nombre dado a quienes entran en trance. Han bajado los espíritus y el espacio de este encuentro es su propio cuerpo. Los danzantes se convierten en un festivo santuario.

Aparece Delmario en medio de la roda. Los ojos cerrados, las manos repitiendo su danza y los espíritus se solazan en sus movimientos. Donde los inquisidores de antaño y los evangélicos hoy ven posesiones diabólicas, saltan los espíritus de los dioses. Bailan, se postran ante la mae-de-santo, se abrazan, lloran.

La comunión se hace danza, pero no es la comunión cristiana abstracta, insípida y simbólica, sino que Oxalá, Changó u Oxossí bajan en el cuerpo de los iniciados. El mundo de los vivos, los muertos y los dioses se mixtura.

Dos mujeres están encargadas de asistir a los rodantes. Los abrazan, les arreglan la ropa que se les ha soltado y los vuelven al círculo. En la cuarta roda los atabaques estallan en intensidad. Ahora cuando algunos rodantes pasan ante la puerta de entrada, siempre abierta, se postran y quienes están ante ellos abren sus manos en dirección a la rodante como conteniendo la energía. Es “para que se mantenga”, alguien comenta.

Al lado derecho de la puerta abierta hay un cirio y al otro un plato con siete huevos en aceite de dendê y sangre. Plumas y sangre coagulada están pegadas sobre el blanco de la puerta, su marco, el suelo y el muro. Son la huella del sacrificio de una gallina negra realizado la noche anterior, rito en el que participan sólo los iniciados. “La sangre es alimento de los orixas, necesitan de ella para dar fuerzas a nosotros”- comenta una mujer.

En las últimas danzas algunas rodantes entran exhibiendo gorros de piel o de piedras preciosas. La mae se ha ido y adentro aguarda un banquete preparado con los animales sacrificados la víspera anterior. Hay gallina de xin xin, porotos fradinho con aceite, cebolla y camarones. Ya quedan pocos rodantes, los tambores comienzan a bajar su intensidad, la sangre sigue pegada al muro y los últimos orixas retornan a sus moradas más allá del oscuro cielo de Bahía.

Por Mauricio Becerra R.

@kalidoscop

El Ciudadano

Brasil, candomblé, orixas, Salvador de Bahía



El Ciudadano, periódico fundado en la Región de los Ríos, el 13 de marzo del 2005

Este sitio es administrado con Wordpress y ha sido desarrollado por Cristian Ocampo para Mentes X Comunicaciones.
El Ciudadano forma parte de la Red de Medios de los Pueblos y es hosteado en los dattacenter de IFX Networks.

.

A União Africana nomeou relator para ver as queixas dos independentista de Cabinda




Joanesburgo, 30 dez (Lusa) - A União Africana (UA) nomeou um relator especial para analisar as queixas dos independentistas de Cabinda contra o governo de Angola, informa hoje a agência noticiosa IRIN.

A agência, tutelada pelo Gabinete da ONU para Coordenação dos Assuntos Humanitários, destaca que a decisão da UA ocorre cerca de cinco anos depois de a Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC), liderada por Henrique Nzita Tiago, ter apresentado a primeira de uma série de queixas contra Luanda.

O território de Cabinda é palco desde 1975 de um conflito que opõe diversas fações independentistas contra as forças armadas e polícia angolanas, que a IRIN caracteriza como "um dos mais antigos conflitos em curso no continente africano".

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Lavagem da escadaria será feita em Corumbá



Apesar do impasse com bispo, lavagem da escadaria será feita
DIÁRIO DE CORUMBÁ 27/12/2011 18h00

Ele relatou ao Diário Online o esforço da Casa de Candomblé Ilê Afro Axé Orixá, que participa desde o início das manifestações, juntamente com entidades ligadas à cultura afro-descendente na cidade como o Imnegra (Instituto da Mulher Negra do Pantanal), IMKOP (Instituto Madê Korê Odara do Pantanal), grupo de capoeira Cordão de Ouro, a seccional da FECAMS (Federação de Cultos Afro-brasileiros e Ameríndios de Mato Grosso do Sul) e Acoglet (Associação de Gays Lésbicas e Travestis) para sensibilizarem a maior autoridade católica local a repensar a decisão. Segundo o babalorixá na última sexta-feira, 23 de dezembro, após uma reunião na sede do Imnegra, uma delegação foi escolhida para dialogar com o bispo diocesano de Corumbá, Dom Martinez Alvarez.

"Fomos até à casa do bispo que nos recebeu muito bem, entretanto, ele manteve a decisão de não permitir a realização da missa, inclusive recebi uma pergunta dele me questionando por que não lavávamos a escadaria da igreja evangélica. Lembrei ao bispo que não foi o evangélico que pegou o negro contra a vontade dele e o batizou na época do Brasil colônia, tirando o nome original para substituir pelo nome derivado do santo católico do dia do batismo. Lembrei que quem lavava as igrejas, quem bordava as vestimentas dos sacerdotes católicos, quem colhia as uvas para se transformarem no vinho da consagração eram os negros", disse, e aproveitou para também fazer questionamentos.

"Eu me senti discriminado e pergunto: será que é porque é uma religião afro-descendente? Será porque são as vestes afro-brasileiras que visto? Ou será que é porque é a religião que mais agrega o público LGBT?", argumentou Clemílson. "Ele deixou claro que não aceita nossas roupas dentro da igreja e daí eu pergunto será que quando estou com um determinado tipo de roupa, esse Deus não me enxerga? Esse Deus não consegue me enxergar atrás de uma roupa? Eu creio que ele consegue enxergar meu coração, a bondade que tem dentro de mim", ponderou o babalorixá que reforçou o propósito da lavagem precedida da missa na igreja.

"Era para mostrar para o nosso público que acredita num Deus vivo, a unificação de duas religiões ou pelo menos o respeito de uma pela outra em busca de tirar os jovens das coisas ruins. Nós tínhamos conseguido fazer isso em Corumbá, com o apoio do prefeito, da Fundação de Cultura do Pantanal de Corumbá, e principalmente, da comunidade católica", ressaltou ao destacar que há 4 anos a celebração da missa e a lavagem da escadaria entraram para o calendário de eventos da cidade.

"Quando começamos era algo pequeno apenas 30 fiéis, hoje, cerca de 1.500 pessoas participam direta ou indiretamente. De antemão me preocupei muito com a população da cidade, do estado, e hoje posso falar do Brasil porque muita gente está vindo como, ano passado, tínhamos moçambicano, japonês, vendo a missa com a lavagem. Jornais de outras cidades e hoje, peço à comunidade, principalmente, a católica que esteja lá porque a missa era considerada um momento de unificação", conclamou. O babalorixá afirmou que a atitude da Diocese motivou a organização de uma movimentação contra os atos discriminatórios na cidade.

"Após a lavagem vamos marcar outra reunião com todos os presidentes de ONG's para sensibilizar contra a discriminação. Vai ser um retrocesso a favor da discriminação, da discórdia de povos se nós aceitarmos isso de forma calada", disse ao informar que uma passeata está prevista para ocorrer na primeira quinzena de janeiro.

Bispo diocesano mantém decisão

Procurado pela reportagem do Diário, o bispo diocesano Dom Martinez afirmou ter se reunido com os representantes de religiões de entidades que zelam pela cultura afro-brasileira e manteve seu posicionamento já detalhado em matéria publicada neste mesmo jornal no dia 15 de dezembro.

"Quando tomamos uma decisão, ela não é leviana, é fruto de ponderação. Tomamos não pensando em voltar atrás. Repito que, com base na opinião de alguns fieis, e no que acontece na Bahia, que também não abre as portas (da igreja), nós decidimos por não realizar a missa no dia 30 de dezembro na igreja Matriz. Nós não queremos ser diferentes do Brasil, não queremos inventar moda", declarou.

O bispo aproveitou para esclarecer que não confere ao padre da igreja Matriz a decisão celebrar ou não a missa."Os horários de missa, não somente nessa igreja, mas em todas as comunidades quem decide é o pároco, entretanto, sobre a missa do dia 30, na Nossa Senhora da Candelária, já havia a orientação e pela repercussão da decisão, o caso foi parar num canal de TV onde o padre deu uma entrevista, o que levou muita gente a pensar que a decisão foi dele, mas a decisão foi minha", assumiu.

Em entrevista anterior, o bispo disse que "com as religiões de cunho africano, a comunhão conosco não chegou ao ponto de compartir a eucaristia. Não é que haja animosidade, em absoluto, mas nosso nível de comunhão ainda não é tão profundo para podermos compartir a eucaristia que, para nós, é momento de comunhão mais profundo dentro da igreja católica".

A reportagem também entrou em contato com a administração da Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador, que informou que não realiza missa para o cortejo de candomblecistas no dia dedicado ao santo. Segundo a administração, o padre recepciona o cortejo com uma réplica da imagem do Nosso Senhor do Bonfim, abrindo o átrio (área externa cercada) da igreja, onde acontece a lavagem das escadarias.







©2011 CORREIO DO ESTADO S/A. Todos os Direitos Reservados.

Fatos Históricos, Políticos, Sociais, Artísticos e Literários

Stephanus Kruger
Em 30 de dezembro de 1880 - Os boeres do Transvaal comandado por Stephanus Krugel, declaram à República da África do Sul

Foi o período Imperialista, em que Holandeses levaram o cristianismo reformado, a Alemanha os métodos militares, a Inglaterra impós a própria língua, os franceses criaram o africânderes para os nativos e numa combinação travaram a luta dos boeres dominaram o país e mais tarde criaram o apartheid e para os negros a ideologia (camita) precisavam serem dominados pelos brancos como teoria bíblica.


Em 30 de dezembro de 1958 - Os Estados franceses da África Ocidental decidem constituir uma federação no âmbito da comunidade francesa.


Em 30 de dezembro de 1898 - Nasceu, o escritor e folclorista brasileiro, Luis da Câmara Cascudo.


Em 30 de dezembro de 1920 - O Congresso dos Soviets cria a União das Repúblicas Socialistas Russas.


Em 30 de dezembro de 1935 - Nasceu Omar Bongo, o ex-presidente do Gabão, morto em 2009.


guerrilheiros Swapo
Em 30 de dezembro de 1983 - Tropas sul africanas, apoiadas pela aviação, perseguem guerrilheiros da Swapo no sul de Angola, uma das maiores operações da África do Sul no país vizinho, ato condenado pela OUA - Organização da Unidade Africana, pela Inglaterra e pela Alemanha Federal.


Em 30 de dezembro de 1959 - Portugal assinou a adesão à EFTA - Associação Econômica do Comércio Livre.


Em 30 de dezembro de 1968 - Foi divulgada no Brasil uma lista dos políticos cassado, entre eles 11 deputados federais, e 3 ex-presidentes da Republica brasileira. Foram eles Deputados, Marcio Moreira Alves, Hermano Alves, David Lerer, Helio Navarro, Gastone Righi, Matheus Shimidt, Henrique Henkin, Maurilio Ferreira Lima, José Lurtz Sabiá, Renato Archer, Jose Carlos Guerra, o governador Carlos Lacerda, e os ex-presidente Jânio Quadros, Juscelino Kubstcheck, e João Goulart.


Em 30 de dezembro de 1986 - Nasceu a cantora inglesa Elie Goulding


Em 30 de dezembro de 1990 - O beatles George Harrison e sua esposa Olívia foram esfaqueados por um dependente de droga chamado Michel Abram de 33 anos na época, e que acabou sendo detido.


Sadam Hussein
ex-presidente do Iraque

Em 30 de dezembro de 2006 - Sadam Hussein foi executado por enforcamento em Bagdá, acusado de crimes contra a humanidade.

Jesus, a biografia (im) possível

Jesus, a biografia (im)possível

08:22 Por António Marujo



Jesus provavelmente não se casou, mas várias mulheres acompanharam-no (DR)
Quem foi Jesus? E quem é ele hoje? A cada 25 de Dezembro os cristãos celebram o seu nascimento, mas, quanto à sua vida subsistem muitas dúvidas e mistérios. Fomos saber quais as mais recentes teses sobre este "judeu marginal" que "viveu num recanto do Império Romano"

Um profeta ou um blasfemo? Um subversivo ou um sedutor? Um homem ou um deus? Um marginal ou um judeu da elite? Um amigo dos pobres e das mulheres ou um opositor aos líderes religiosos do seu tempo? Um político ou um mestre espiritual? Um sonhador ou um revolucionário?

Impossível compor uma biografia de Jesus de Nazaré, cujo nascimento é assinalado desde há séculos a 25 de Dezembro - mesmo se não há certezas sobre a data exacta ou sequer sobre o próprio nascimento. Começamos então por ver que sabemos pouco. Ou talvez não. Ed Parish Sanders, um dos mais importantes estudiosos sobre a personagem histórica de Jesus, escreve n’"A Verdadeira História de Jesus (ed. Notícias/Casa das Letras): "Há muitos aspectos sobre o Jesus histórico que permanecerão um mistério."

Não se sabe, por exemplo, quando e onde nasceu exactamente - apesar de, na festa do Natal, se assinalar a cidade de Belém como lugar onde veio à luz, segundo a tradição. Não se sabe se teve irmãos, embora John P. Meier, autor de Um Judeu Marginal - Repensando o Jesus Histórico (ed. Imago/Dinalivro), uma das obras maiores dos estudos contemporâneos sobre Jesus, aponte para a probabilidade de serem legítimos os vários irmãos de Jesus.

Não se sabe ainda como viveu durante os primeiros 30 anos da sua vida. Não se sabe se se casou - Meier diz que tudo aponta para que tenha permanecido celibatário. Desconhece-se se Jesus tinha consciência plena da sua missão - ou, na linguagem crente, se era Deus.

Sabemos pouco, então, sobre Jesus? O mesmo E. P. Sanders escreve: "Sabemos que iniciou a vida pública sob João Baptista, que teve discípulos, que esperava o Reino, que foi da Galileia para Jerusalém, que fez algo hostil ao Templo, foi julgado e crucificado." Sabemos ainda "quem era, o que fez, o que ensinou e por que morreu; e, talvez o mais importante, sabemos como inspirou os seus seguidores, que, por vezes, não o entenderam, mas que lhe foram tão fiéis que mudaram a História".

Bilhete de identidade

Uma biografia impossível? À procura de respostas, a Sociedade Missionária da Boa Nova organizou o colóquio Quem foi, quem é Jesus Cristo. A convite do teólogo e filósofo Anselmo Borges, vários pensadores e especialistas contemporâneos passaram por Valadares (Gaia), em Outubro, dando um panorama do que se conhece sobre Jesus, em várias áreas. Acompanhámos a iniciativa, que contou com a participação de alguns dos mais destacados teólogos espanhóis.

O bilhete de identidade de Jesus tem alguns elementos seguros, outros menos: sabe-se que a sua família era de Nazaré, na Galileia (actual norte de Israel). Não há certezas sobre se terá nascido ali ou em Belém. A tradição aponta para esta pequena cidade próxima de Jerusalém para confirmar Jesus como o messias esperado pelos judeus, a partir de textos do Antigo Testamento.

O seu pai - adoptivo, segundo a tradição cristã, já que o verdadeiro pai seria o próprio Deus - era artesão. O que significava que a família tinha alguns meios de sobrevivência. Depois de uns 30 anos de vida discreta, Jesus apareceu em público a ensinar uma nova doutrina e a curar pessoas aflitas que o procuravam. Por causa disso, após cerca de dois anos de vida pública, foi acusado pela elite religiosa e levado junto do governador romano, Pôncio Pilatos, que o mandou crucificar. Dois dias depois, vários dos seus seguidores começaram a dizer que o tinham visto vivo,ressuscitado. Para lá destes dados, quem era esse homem? Este "judeu marginal", como é desgnado por John Meier, que viveu num recanto do Império Romano, que depois de uma presença de intervenção pública que pode não ter chegado a dois anos "morreu como blasfemo religioso e subversivo social e político" O que fez ou disse para ser condenado à morte? "Uma morte de cruz própria dos escravos" numa coligação de interesses religiosos e políticos de Jerusalém e Roma, nas palavras de Anselmo Borges.




mais© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA - Directora: Bárbara Reis - Directora executiva: Simone Duarte - Editores: Luciano Alvarez, Victor Ferreira
Editor de plataformas e multimédia: Sérgio B. Gomes Editor de comunidades: Alexandre Martins - Webmaster: Paulo Almeida - Publicidade Online - Publicidade - Webdesign - Provedor dos Leitores

50 anos de luta pela libertação em Angola






opinião

NOS 50 ANOS DO INÍCIO DA GUERRA COLONIAL
A LUTA DE LIBERTAÇÃO EM ANGOLA
Por Armando Teixeira
Barreiro

Estava iniciado o terrível conflito que iria durante 13 anos consumir incomensuráveis recursos e destroçar dezenas de milhares de vidas, sobretudo de autóctones, mas também portuguesas, atrasando ainda mais o pobre país da beira-Atlântico, jardim fenecido de dignidade roubada.

NOS 50 ANOS DO INÍCIO DA GUERRA COLONIAL

[ PARA A HISTÓRIA DO COLONIALISMO PORTUGUÊS]

16. A LUTA DE LIBERTAÇÃO EM ANGOLA

O século XX e as extraordinárias alterações políticas ocorridas desde os seus primórdios ( nomeadamente a Revolução Soviética de Outubro de 1917) trouxeram á luz do dia a problemática da dominação colonial nas possessões inglesas, francesas, holandesas, espanholas e portuguesas, colocando a luta de libertação dos povos subjugados na primeira linha das preocupações e dos ideais progressistas da humanidade.
Nesta perspectiva, o desejo de independência dos povos das colónias portuguesas e o consequente eclodir de revoltas nacionalistas, seguindo o natural curso da história da libertação nacional já iniciada noutros países africanos, foi ignorado, reprimido e afogado em sangue.
A Argélia pegara em armas em 1954 contra a França e o Gana tornara-se independente da coroa de sua majestade em 1957, enquanto que o regime fascista-colonialista de Salazar e seus apaniguados, procurava iludir a realidade e elidir a opinião interna e internacional, com “slogans” como ,…” As três províncias ultramarinas são parte do todo nacional uno e indivisível “.
Os antecedentes históricos do bombardeamento dos plantadores de algodão na Baixa do Cassange, em Angola, em 1960, com milhares de vítimas; a repressão da greve no porto de Pidjiguiti em Bissau, em 1959, com dezenas de mortos; os acontecimentos repressivos de Mueda, em 1960, sobre os camponeses macondes do Norte de Moçambique, com muita gente massacrada, culminaram em Luanda no levantamento nacionalista de 4 de Fevereiro de 1961.
Estava iniciado o terrível conflito que iria durante 13 anos consumir incomensuráveis recursos e destroçar dezenas de milhares de vidas, sobretudo de autóctones, mas também portuguesas, atrasando ainda mais o pobre país da beira-Atlântico, jardim fenecido de dignidade roubada.
Quando ocorreu este levantamento em Angola, considerado simbolicamente como data de início da Guerra Colonial, já um significativo caminho havia sido feito, desde a fundação em 1954 da União dos Povos de Angola (UPA), por Holden Roberto, e, em 1956 do Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA), por Mário de Andrade, Viriato da Cruz e Agostinho Neto.
Este último fora estudante de Medicina em Lisboa, nos inícios da década de 50 e esteve preso pela PIDE durante muitos meses, por pertencer ao MUDJuvenil, o Movimento de Unidade Democrática da Juventude, muito activo na primeira metade da década. Toda a sua Comissão Central fora presa, incluindo o jovem estudante negro angolano, engajado na luta antifascista em Portugal.
Libertado em 1956, com residência fixa e apresentação regular na polícia política, aproveitou esse tempo para terminar o curso de medicina e acabou por sair clandestinamente de Portugal, de barco, pelo Sul, com o apoio de um oficial da Marinha, o depois almirante Rosa Coutinho.
Vivia-se uma época de viragem histórica em África, animada pela independência de sucessivas colónias..
Em 1960, o Congo Belga torna-se independente, depois de intensa disputa política com a potência colonial. A Bélgica a dada altura mudou de estratégia, dando-se a formação de República Democrática do Congo, mas não foi inocente esta mudança. As sementes do neocolonialismo geram novas formas de violência inter-étnica, os acontecimentos imediatos à independência são mostrados nas televisões e cinemas de todo o mundo, como prova da …” incapacidade dos negros se governarem a si próprios”, enquanto os interesses das grandes companhias belgas são acautelados, continuando as grandes explorações mineiras na mão das multinacionais.
Um dos principais obreiros da independência, Patrice Lumumba, líder político progressista e sindicalista prestigiado, foi tragicamente assassinado e é iniciada a guerra de Secessão do Katanga, a maior e mais rica região mineira.
O regime saído das profundas convulsões do Congo - Kinshasa (antiga Leopoldeville), não permite que o MPLA se instale militarmente no seu território, em contrapartida apoiou desde a primeira hora a UPA, com o seu quartel-general na capital desde a fundação.
O MPLA tinha a sede em Brazaville, no Congo ex - francês, também independente em 1960, e assentou a sua base militar de treino e apoio em Dolisie, na floresta do Mayombe, com o beneplácito do governo da novel República Popular do Congo, onde iniciou a preparação para a inevitável luta armada de libertação nacional.
Nota Final : Gostariamos de ter terminado este trabalho de recolha durante este ano em que se assinala a efeméride do inicío da Guerra Colonial. Tal não foi possível, ainda faltam alguns capítulos, pelo que nos resta a possibilidade de faze-lo em livro. Fica prometido.


Armando Teixeira








Design: Rostos Design. Fotografia e Textos: Jornal Rostos.
Copyright © 2002-2011 Todos os direitos reservados.

Em 2012, os cinemas de todo o país terão mais filmes nacionais




Em 2012, os cinemas de todo o país terão que exibir entre três e 14 diferentes filmes nacionais de longa metragem por um tempo mínimo que varia conforme o número de salas em funcionamento. A cota mínima de exibição consta do Decreto 7.647, assinado pela presidente Dilma Rousseff e publicado hoje (22) no Diário Oficial da União.

Regulamentada pela Agência Nacional de Cinema (Ancine), a chamada Cota de Tela é um instrumento legal adotado por vários países com o objetivo de promover a competitividade e a sustentabilidade da indústria cinematográfica nacional. No Brasil, segundo a Ancine, a “reserva de dias” vem sendo empregada desde a década de 1930, sendo reeditada e aprimorada anualmente conforme o desenvolvimento e as necessidades da indústria cinematográfica. Desde a década de 1990 a Cota de Tela é fixada por meio de decreto presidencial.

Para 2012, o decreto estabelece a cota mínima de três diferentes filmes brasileiros a serem exibidos por pelo menos 28 dias em cinemas com apenas uma sala. Tanto a quantidade mínima de títulos, quanto a de dias de exibição varia conforme o número de salas do complexo de exibição. Em estabelecimentos com 20 salas, por exemplo, a soma da exibição de ao menos 14 diferentes filmes brasileiros terá que totalizar um mínimo de 644 dias.

O número de títulos obrigatórios e de dias para 2012 é o mesmo que vigorou este ano. O número de dias mínimos de exibição, aliás, não sofre alterações desde 2005. No ano passado, a Ancine justificou a maior exigência quanto à diversidade de obras pelo crescimento do número de lançamentos anual, que aumentou de 30 títulos em 2001 para cerca de 80 novas obras no biênio 2009-2010.

O aumento da diversidade mínima de títulos é compatível com o crescimento no número anual de lançamentos nacionais, que era da ordem de 30 títulos em 2001 e alcançou o número de aproximadamente 80 títulos no biênio 2009-2010.



Jornal do Brasil | Copyright © 1995-2011 | Todos os direitos reservados

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Fatos Históricos, Políticos, Sociais, Artísticos e Literários

A arte de Portinari em Vídeo

Candido Portinari

Obra de Portinári

Obra de Portinári

Em 29 de dezembro de 1903 - Nasceu Cândido Portinari, pintor brasileiro e militante do PCB Partido Comunista Brasileiro.


Em 29 de dezembro de 1911 - Nasceu o escritor Alves Redol em Vila Franca de Xira-Portugal, escritor neo-realista, jornalista, teatrólogo e membro do PCP - Partido Comunista Português.


Em 29 de dezembro de 1917 - A greve Geral, ocorrida em julho de 1917, conqueistou neste dia, a Lei Estadual, na qual passou a ser proibido o trabalho noturno para mulheres e crianças.


Em 29 de dezembro de 1926 - Faleceu o poeta austríaco Raine Maria Rilke


Em 29 de dezembro de 1950 - Fundação do PCB - Partido Comunista de Bolívia


Em 29 de dezembro de 1969 - Nasceu a atriz norte-americana Jennifer Ehler


Listas dos mortos torturados pelo DOI-CODI
Vala Clandestina do Cemitério Ricardo Albuquerque

Em 29 de dezembrode 1972 - Foi assassinado por tortura o estudante secundarista José Bartolomeu Rodrigues de Souza, pernambucano, filho de José da Costa Lima e Nilsa de Souza Lima. Morto pelo DOI CODI do Rio de Janeiro.


Em 29 de dezembro de 1977 - Nasceu  a atriz norte-americana Katherine Moenning


Em 29 de dezembro de 1978 - Nasceu a atriz peruana Alexis Amore


Em 29 de dezembro de 1992 - Ocorreu a renúncia do Presidente Fernando Collor, do cargo de presidente do Brasil, temendo a cassação de seu mandato pelo Congresso Nacional, o que acabou acontecendo.

Em 29 de dezembro de 2001 - Faleceu a cantora brasileira Cassia Eller, vítima de um infarto.

Seminário discutiu ensino das questões étnicas na escola

Notícias



Seminário discute ensino das questões étnicas na escola

A CNTE promoveu dia (15) um seminário nacional, em Brasília, para avaliar o cumprimento das leis n° 10.639 e 11.645, que determinam a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura negra e indígena no currículo das escolas. O evento contou com a participação de representantes do Ministério da Educação, Instituto Sindical Interamericano Pela Igualdade Racial (Inspir), CUT e Internacional da Educação para a América Latina, além dos sindicatos filiados. Assista ao vídeo do evento.


Ao abrir os trabalhos, o presidente da CNTE, Roberto Leão, lembrou que no Brasil prevalece a falsa ideia de que não existe racismo. Mas advertiu que o preconceito é um problema real no país e que precisa ser tratado nas escolas. Ele ressaltou a responsabilidade da Confederação nessa tarefa. "O papel da CNTE e dos sindicatos é mostrar que as injustiças existem e precisam ser corrigidas", afirmou.


Durante o debate, verificou-se que, passados oito anos de vigência da Lei 10.639, que determina o ensino das questões éticas e raciais na sala-de-aula, pouco se avançou na prática. Desde 2004 o Ministério da Educação lançou mais de 30 publicações dirigidas aos professores para ajudá-los nessa tarefa. Mas no que diz respeito à capacitação desses educadores, os resultados estão aquém do necessário.


"Até 2011 tivemos um total, pelo Niafro, que é o programa de ações afirmativas para a população negra no ensino superior, de 9.200 professores formados em todo o país. Pelo curso de Educação para as Relações Étnico Raciais, tivemos um total de 4.500 professores formados, em história e cultura afro-brasileira e africana. Se pensarmos no total de docentes, é muito pouco."


A representante do MEC salientou ainda a dificuldade de capacitar profissionais em alguns estados. Em São Paulo, apenas 250 professores receberam formação. No Rio de Janeiro foram cerca de mil. E na Bahia, estado que tem um dos maiores contingentes de brasileiros negros, apenas 400 docentes foram capacitados para abordar a história e a cultura afrobrasileira no currículo.nformou a Técnica em Assuntos Educacionais da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC (Secadi-MEC), Barbara da Silva Rosa.


Segundo Bárbara Rosa, hoje os cursos de formação do MEC são desenvolvidos em parceria com as universidades por meio de editais, oferecendo um número limitado de vagas. Para ampliar o número de professores atendidos, em 2012 será usada uma estratégia inversa. As diretorias das escolas vão receber catálogos com a relação dos cursos disponíveis, e a partir daí levantarão o número de professores interessados. A demanda vai ser repassada às secretárias de educação, aos Comitês Estaduais de Formação de Professores e ao MEC, que vai articular a oferta dos cursos com as universidades. "Não vamos mais ter uma oferta para uma demanda fictícia. Vamos saber a demanda exata no município X. Com isso esperamos conseguir sair de nove mil professores formados em seis anos para 15 a 20 mil por ano", afirmou Bárbara Rosa.


Sociedade civil


A Secretária de Combate ao Racismo da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Maria Júlia Reis Nogueira, salientou que o cumprimento das leis n° 10.639 e 11.645 não deve ser responsabilidade apenas do governo. "Se formos esperar que o combate ao racismo e as discriminações fiquem apenas no âmbito governamental, vamos avançar muito pouco. As iniciativas que os próprios profissionais de educação vêm desenvolvendo através de suas entidades de classe são fundamentais", disse.


Como exemplo de avanço da sociedade civil nesse sentido, Maria Júlia citou que, durante a 21ª Conferência Nacional dos Advogados, realizada em Brasília recentemente, foi firmado um termo de cooperação técnica que prevê a recomendação da OAB para a criação de comissões de promoção da igualdade racial em todas as 27 seccionais da entidade. A ideia é que, no futuro, o tema da igualdade racial esteja incluído no exame da Ordem e no currículos das faculdades de direito.


Samba nas escolas


O presidente da Fundação Palmares, Eloi Ferreira de Araujo, apresentou duas iniciativas da entidade para contribuir com o ensino das temáticas étnicas nas escolas. Um deles é o projeto Cantando a contado a história do Samba, lançado no dia 1° de dezembro em dez estados do país. A ideia é trazer para a sala de aula a história e a prática do ritmo, intimamente ligada à comunidade afrodescendente. "Com isso contribuímos para a implementação da Lei 10.639, dando alternativas para os professores dentro da sala de aula", explicou Eloi.


O outro projeto da Fundação Palmares é o Prêmio Nacional de Redação que será realizado em 2012 em todo o país, com o tema "A origem do Brasil – Nossa negras raízes", do qual a CNTE é parceira. A proposta é dirigida aos estudantes de ensino médio. Os autores dos melhores trabalhos serão premiados com tablets e certificados. As escolas receberão três mil computadores.


Indigenas


A Secretária de Relações Internacionais da CNTE, Fátima Silva, participou representando a Internacional da Educação para a América Latina, da qual é vice-presidente. Segundo ela, se a temática afrobrasileira ainda tem dificuldades para integrar currículo das escolas, para a história e a cultura indígena há muito mais a fazer. "Falta uma total integração entre o nosso urbano, o nosso rural, com o nosso indígena. Temos a população indígena como algo à parte. São vistos como alguém improdutivo e que quer terra para não produzir, porque estamos muito focados nas grandes produções e no agronegócio, e não na terra como um direito à vida", afirmou.


Fátima também explicou o que a IEAL e a CNTE estão fazendo para trazer a questão indígena para dentro da escola. "Nós começamos um trabalho para organizar os professores indígenas dentro das organizações sindicais. Temos uma grande população indígena no país, muitos professores indígenas, mas que não estão dentro dos nossos sindicatos. Porque não temos uma politica voltada para o professor indígena, no sentido de ver sua cultura, sua forma de trabalho, seu vínculo trabalhista. Esse é o desafio para nós da CNTE e para cada sindicato filiado" afirmou a vice-presidente da IEAL.


Para 2012


Segundo o Secretário de Políticas Sociais da CNTE, Marco Antônio Soares, a partir das discussões do seminário serão elaboradas estratégias não só para melhorar o tratamento desses temas dentro da sala de aula, como também para reduzir as desigualdades de acesso à educação. De acordo com ele, no próximo ano um dos pontos prioritários da CNTE será a educação indígena. A Secretaria de Políticas Sociais avançará em 2012 no planejamento para atender especificamente a educação indígena. A questão dos afrodescendentes não está resolvida, mas temos muito mais elaboração sobre ela", explica.


Fonte: CNTE

Alckimin confirma corte no Orçamento



Alckmin confirma corte no Orçamento

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, confirmou hoje (28) que deverá fazer um contingenciamento no Orçamento do Estado de São Paulo em 2012, aprovado pela Assembleia Legislativa em R$ 156,6 bilhões. Ele garantiu, contudo, que irá evitar cortes em investimentos. "Vamos sempre procurar ser criteriosos na área de custeio e pisar no acelerador do investimento", disse, após evento para a entrega de casas em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. No evento, Alckmin pregou cuidado com os gastos públicos, porque, segundo ele, "há uma incerteza em relação à economia mundial", mas afirmou estar otimista. "Não acho que vai ter catástrofe", contou.



O governador não definiu a meta do contingenciamento, mas a expectativa de integrantes do governo estadual é de que ele seja similar ao do ano passado, de R$ 1,5 bilhão. Alckmin citou as estimativas do governo federal em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e para a inflação de 2011, que não foram cumpridas, para justificar possíveis congelamentos nos recursos previstos no Orçamento do Estado em 2012.



"Quando o Orçamento foi feito, a previsão era de 5% de crescimento da economia e 4% de inflação; terminamos o ano com crescimento de 3%, abaixo do previsto, e inflação de 6%, acima do previsto. Por isso precisamos cautela", afirmou.



O governador evitou, como tem feito, comentar o embate eleitoral no PSDB de São Paulo pela candidatura da sigla à sucessão do prefeito Gilberto Kassab. "Quem escolhe o candidato é o diretório local e o PSDB dará exemplo ao Brasil, fazendo prévias, democratizando o critério de escolha e ouvindo os filiados. Essa tarefa é do partido e não do governo", afirmou.

Rio - Indigenas Reclamam terras em frente ao estádio Maracanã



Rio: indígenas reclamam terras em frente ao estádio Maracanã

A poucos metros do estádio Maracanã, de onde sairá o vencedor da Copa do Mundo de 2014, dezenas de indígenas de todo o Brasil ocupam um edifício em ruínas, que as autoridades do Rio de Janeiro querem transformar em centro comercial, e lutam contra uma eventual expulsão.

Índios guajajaras, pataxós, tukanos, fulni-o e apurinãs, entre outras etnias, vivem desde 2006 em casas de barro construídas em torno do prédio que abrigou o primeiro Museu do Índio, a 100 m do estádio que está em reformas para receber a final do mundial de futebol.

As autoridades do Rio de Janeiro querem transformar este espaço simbólico e estratégico em um centro comercial ou em um anexo da secretaria de Esportes. Já os índios reivindicam o lugar para que se converta na primeira Universidade Indígena, um centro de educação para o ensino da história, cultura e conhecimentos ancestrais.

Na ocupação, batizada de "Aldeia Maracanã", cultivam verduras e frutas em uma pequena horta e cozinham em um forno a lenha coletivo. O lugar, além de centro cultural, serve de abrigo temporário ou permanente para índios de todo o País que chegam ao Rio de Janeiro para trabalhar, estudar e participar de eventos.

"Sempre fomos excluídos e quando se lembram de nós é sempre no passado, quando se fala da chegada dos portugueses ou da colonização, mas, e hoje? Nós estamos aqui, estamos vivos e vamos resistir", disse emocionado o cacique da ocupação, Carlos, da tribo tukano da Amazônia.

"Nosso medo é que nosso povo fique fora deste grande evento", disse Dava, da etnia puri (centro do Brasil), referindo-se ao mundial de futebol. "Não queremos ser expulsos, mas sabemos que isso pode acontecer", acrescentou.

Na "Aldeia Maracanã" são realizados eventos como contação de histórias, pinturas corporais, danças, produção de comidas típicas, além de serem ministradas aulas de tupi-guarani e outras atividades de resgate das culturas indígenas.

Os índios criaram também um site para divulgar seus projetos e a partir de 2012 esperam exibir na internet a "Televisão Aldeia Maracanã". "Queremos mostrar aos brasileiros que os índios não são uma coisa só, que existe uma enorme diversidade cultural e étnica que precisa ser valorizada e preservada", disse Afonso, da tribo apurinã. No Brasil vivem cerca de 800 mil indígenas (0,4% da população), segundo dados do governo.

Em 2010, Afonso foi informado pelo governo da existência de um projeto para derrubar o prédio e construir no lugar lojas de artigos esportivos e que, no máximo, algumas salas seriam cedidas aos índios para venderem artesanato. Outro rumor que chegou aos indígenas é que o prédio seria comprado pela Secretaria de Esporte e Lazer do Rio de Janeiro.

A ligação dos índios com este terreno remonta a 1865, quando o primeiro proprietário, o Duque de Saxe, doou o espaço à União para a construção de um Centro de Investigação Cultural Indígena.

O edifício abrigou o antigo Museu do Índio em 1953, mas a partir de 1977, com a transferência do museu para o bairro de Botafogo, a construção foi abandonada e ficou sob responsabilidade do Ministério da Agricultura.

À medida que as obras do Maracanã avançam - tudo deve ficar pronto até o final de 2012 -, cresce a preocupação dos indígenas, já que nenhum funcionário do governo os procurou ou quis se manifestar sobre os projetos para o terreno ocupado.

A prefeitura do Rio de Janeiro não respondeu às preguntas sobre o assunto. O governo do Estado do Rio se limitou a informar que está negociando com o ministério da Agricultura a compra do terreno.

Mais de 2 mil pessoas já foram desalojas no Brasil devido às obras ligadas à Copa do Mundo de 2014 e aos Jogos Olímpicos que vão acontecer no Rio em 2016, segundo movimentos sociais, acadêmicos e organizações políticas. Os índios esperam não se somarem a esta estatística.

"Viemos aqui para resistir. Viemos para a guerra. É verbal, física, moral. Estamos aqui lutando e nossa luta é justa e respeitosa. Então o guerreiro não precisa ter medo", afirmou Arassari, da etnia pataxó, enquanto pintava seu rosto, vestia sua túnica de palha, um grande colar de sementes vermelhas e um cocar com penas azuis e amarelas.

Mais notícias de Cidades »
AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.

Palmério Dória "Internet virou uma cadeia da legalidade"

Palmério Dória: "Internet virou uma cadeia da legalidade"

Claudio Leal



A eleição presidencial de 2010, vencida pela petista Dilma Rousseff, começa a ganhar os primeiros relatos históricos. Um dos lançamentos editoriais sobre a campanha política, o livro "Crime de imprensa" (Plena Editorial), de Palmério Dória e Mylton Severiano, analisa o comportamento dos grandes grupos midiáticos durante a sucessão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Repórteres veteranos, Palmério e Severiano (o Myltainho) atuaram na imprensa alternativa e também em grupos como "Estado de S. Paulo", "Folha de S.Paulo", "Realidade", "Rede Globo" e "TV Record". No livro, provocantemente "prefaciado" pelo escritor Lima Barreto, os autores sustentam que a mídia nacional assumiu as bandeiras de partido político e apoiou a candidatura de José Serra (PSDB).

- A Dilma enfrentou, durante a campanha, uma espécie de túnel de trem fantasma. A cada curva, havia uma cilada, um sobressalto, uma chamada "bala de prata". Hoje a imprensa continua assim, apesar de ela ser uma das três mulheres mais poderosas do planeta - afirma Palmério Dória, autor do best-seller "Honoráveis Bandidos - Um retrato do Brasil na Era Sarney" (Geração Editorial), em entrevista a Terra Magazine.

Craque da reportagem e frasista veloz, sempre a denunciar uma rica formação literária, Palmério Dória recorre ao humor - essa escopeta às vezes subestimada - para confrontar os velhos fantasmas da Nova República. O livro sobre o senador José Sarney, que frequentou por meses as listas dos mais vendidos, iniciou uma trilogia da vida política brasileira. A internet, pondera o jornalista, ajudou a balançar o previsível coreto.

- A Globo chegava a dominar 100% da audiência, nos anos 70 e 80. Ainda outro dia, a Globo dominava. Isso mudou. (...) Agora tem a força da blogosfera, que, de repente, se articula numa espécie de cadeia da legalidade, para citar o episódio do Brizola (em 1961)... Mas também tem os dois lados. Pode ser a internet do bem e do mal. A internet do mal procovocou aquela peste emocional que levou a eleição para o segundo turno, trazendo questões como o aborto, questões que eu achava que já tinham desaparecido - lamenta Palmério.

Confira a entrevista.

Terra Magazine - Você pôs um trecho de "Recordações do Escrivão Isaías Caminha", de Lima Barreto, como prefácio de "Crime de imprensa". Ele tinha uma visão bem ácida do jornalismo. De lá pra cá, a coisa tem piorado?
Palmério Dória - A situação é praticamente a mesma. Porque ele verifica as famílias e constata que o domínio dos "Grandes Irmãos" já prevalecia. Isso piorou porque há uma concentração maior do poder da mídia. A Globo chegava a dominar 100% da audiência, nos anos 70 e 80. Ainda outro dia, a Globo dominava. Isso mudou. Existe uma abertura maior. Agora tem a força da blogosfera, que, de repente, se articula numa espécie de cadeia da legalidade, para citar o episódio do Brizola (em 1961). Isso melhorou. Mas também tem os dois lados. Pode ser a internet do bem e do mal. A internet do mal procovocou aquela peste emocional que levou a eleição para o segundo turno, trazendo questões como o aborto, questões que eu achava que já tinham desaparecido.

No livro, vocês sustentam que os principais grupos de comunicações do País apoiaram a candidatura de José Serra e se comportaram com parcialidade nas eleições. Essa postura tem se refletido na cobertura do governo Dilma ou houve uma mudança?
Essa postura não mudou. A Dilma enfrentou, durante a campanha, uma espécie de túnel de trem fantasma. A cada curva, havia uma cilada, um sobressalto, uma chamada "bala de prata". Hoje a imprensa continua assim, apesar de ela ser uma das três mulheres mais poderosas do planeta. Pra mim, é a segunda mais poderosa, porque Hillary Clinton (secretária de Estado dos EUA) é uma empregada. Apesar de ser presidente do maior país do hemisfério sul, Dilma é tratada como uma qualquer. A imprensa vai engolir. De maneira geral, não mudou a atitude. Ela não era um poste, não era e não é uma laranja, ela segurou a base política, a fisiologia, e de uma maneira geral os números estão comprovando que ela caiu até no gosto popular. Agora, descaradamente, só o "Estadão" assumiu que apoiava o Serra, através de um editoral. Os outros, não. A "Folha" gosta de parecer isenta, coisa que ela não é. Essa pluralidade é tão artificial quanto perna de pau.

Mas até que ponto assumir um candidato é positivo? Isso não pode influenciar, negativamente, o leitor ou o telespectador?
É positivo, sim. A Carta Capital também assumiu. É tocada por um grande jornalista (Mino Carta), que foi diretor da revista Quatro Rodas, da Veja, e que já foi um dos mais poderosos editores da imprensa. Não se pode dizer que a revista é pequena imprensa. A imprensa americana, que é nosso padrão, assume os candidatos. Isso é muito bom. O problema é dividir a notícia do editorial.

Discute-se muito o "silenciamento" da chamada grande mídia sobre temas que, em tese, desagradariam os grupos partidários com que os jornais e televisões mais simpatizam. Isso teria ocorrido, neste mês, com o livro "A privataria tucana". Para não cair numa teoria conspiratória, você acha que essas omissões ocorrem de forma inercial ou vertical, como uma determinação?
Esses "grandes irmãos" parecem que combinam entre si. É inexplicável. No caso do livro, o timing foi o mesmo. Eles mantiveram o silêncio total, que durou uma semana. É pendular. Eles saíram juntos do silêncio total: a imprensa e o partido atingido (o PSDB). E agora partiram para o berro, esquecendo que bom tucano não berra. Se eu fosse pauteiro de um jornal, e já fui, veria que saiu a Carta Capital (com capa sobre o livro de Amaury Ribeiro Jr.), falando de corrupções numa escala de bilhões. Sendo pauteiro, é natural que você diga: pega um repórter para apurar isso. Mas, não. Todo o exército da grande imprensa estava dedicado a perseguir (Fernando) Pimentel, o amigo da Dilma. Não estou discutindo a corrupção, a escala da grana, nem o caso do Pimentel. Mas o exército todo estava caçando Pimentel. São essas contradições que mostram que não há isenção. Há um acordo tácito.

Os repórteres não podem ousar mais? Não ocorre também aqueles casos em que os repórteres imaginam o que o patrão gostaria que eles fizessem?
Acredite, mas eu já fui moleque e até jovem repórter. Havia nas redações os repórteres que faziam o trabalho sujo. Nós até agradecíamos. O "Estadão" tinha seus homens que faziam esse trabalho, "vamos pegar fulano de tal", de interesse da empresa. A gente sabia quem fazia isso claramente. Hoje, pegam esses meninos "trainees" pra fazer capa da "Veja" demonizando o MST. Bem jovens, e já estão mandando brasa, mora. Trabalhei na imprensa alternativa e sei que nós éramos bois de piranha, fazíamos as matérias que a grande imprensa não poderia publicar, como a matéria do "EX" sobre a morte do Vlado (Herzog). Depois essa matéria, Ricardo Kotscho ampliou os limites da liberdade de imprensa, coordenando uma matéria sobre a mordomia (publicada em "O Estado de São Paulo"). Ele me disse: "Porra, aquela matéria do EX ampliou os nossos limites". Tanto que as duas disputaram o Prêmio Esso. Vendeu a da mordomia, mas ficamos com os votos de Castelinho (Carlos Castelo Branco) e de Cláudio Abramo. Cada repórter vai conquistando sua margem de liberdade. Mas, cada vez menos os repórteres dizem: "não, isso eu não faço".

Você falou rapidamente, no início da conversa, sobre a presença política da internet. De que forma ela alterou o debate público?
No livro, citamos o editor do "The Guardian". Ele falou que, hoje em dia, temos uma gráfica em casa. Quando há temas muito complexos, até para os padrões ingleses (poderes podres ou grandes poderes), ele vai jogando pitadas no Twitter dele. Isso num grande jornal, com um grande editor... Desde Gutenberg não vejo nada tão espetacular. Não dá ainda para medir. O buraco é muito embaixo.

Terra Magazine

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

PSDB e seus crimes contra a Educação



.
Correio da Cidadania - [Waldemar Rossi]

“O PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos), uma análise feita por um grupo de pesquisadores da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) para medir o grau de instrução nas principais áreas de ensino, coloca a rede das escolas públicas do estado de São Paulo apenas em 53º lugar entre as 65 avaliadas” (Diário de São Paulo, de 03/12/2011 – pág. 6).

.
A informação se tornou pública e perturbou o governo paulista. E não era para menos, pois os “tucanos” estão no governo do estado desde 1995, ou seja, há 17 anos. Assim, não podem sequer jogar a culpa sobre os ombros de outros partidos políticos. Mais ainda, salvo um pequeno lapso de tempo, o governador Geraldo Alckmin sempre esteve no governo. No início como vice de Covas, depois titular, completando, com este ano, 13 anos com poder de decisões em suas mãos. Ninguém pode dizer que lhe faltou competência, muito pelo contrário, já que é um político muito bem assessorado e inteligente. O que faltou foi compromisso com nossa juventude e infância. Creio que, mais que isto, foi crime premeditado contra as gerações infantis e jovens desse longo tempo já passado.

Não podemos esquecer que o ensino público do estado paulista foi sistematicamente destruído a partir do governador Mário Covas, que nomeou para a Secretaria da Educação a professora Rose Neubauer. Esta, por sua vez, demitiu milhares de professores ainda não concursados, sem substituí-los, fechou escolas, concentrou alunos nas classes restantes (próximo de 50 em cada sala), eliminou matérias relacionadas com a sociologia, reduziu aulas de História e Geografia e, ainda, impôs pesado arrocho aos salários dos professores.

O objetivo do tucanato era permanecer no governo por 20 anos, pelo menos. Para atingir tal objetivo seria fundamental impedir a formação do senso crítico das gerações futuras. E conseguiram. Notemos que tal avaliação de baixíssima qualidade do ensino estadual, uma das piores do Brasil, não vem de nenhum “partido de esquerda” ou das sempre apontadas “oposições”. Vem de um órgão internacional voltado para os interesses do capital. Logo...

Como foi dito acima, a notícia buliu com o ego do governo paulista, que tenta dar nó em fumaça. Alckmin acaba de anunciar que as escolas com pior desempenho terão a partir do ano de 2012 a chamada residência educacional, ou seja, nova modalidade de estágio para universitários em escolas públicas. Cada universitário receberá bolsa de R$500,00 e auxílio transporte...

Por que “nó em fumaça”? Porque tal iniciativa não revoluciona, nem ao menos repara parte da destruição a que o sistema educacional paulista foi submetido; não elimina a deficiência curricular e não recupera a semi-alfabetização das várias gerações de jovens. Não há um plano de recuperação do professorado, nem de ampliação do quadro de professores e nem mesmo de recuperação do sistemático arrocho salarial. Compreendamos que o salário mínimo no Brasil, conforme o DIEESE, deveria ser hoje R$2.150,00. Quantos professores têm esse salário? Por conta dessa migalha, a maioria se vê forçada a procurar trabalho em mais de uma escola, ficando sem condições físicas e psicológicas para ministrar um ensino da qualidade exigida, um direito de toda a infância e juventude em escala mundial. Os estagiários receberão a maravilha de R$500,00! Ou seja, para tentar preservar sua imagem pública usará um verniz escolar, tentando, mais uma vez, enganar a população, em sua maioria mal informada e desinformada pelos poderosos meios de comunicação conservadores.

Porém, ao tomar a iniciativa de envernizar a educação no estado, para quem compreende um pouco de políticas públicas, tal medida é confissão do crime e o governo responsável deveria se tornar réu perante a Justiça e a opinião pública. Mas, infelizmente, nossa “justiça” tem que ser escrita entre aspas porque é inútil e mancomunada com a criminalidade imperante, uma vez que, ante os imperativos constitucionais, jamais tomou posição efetiva em defesa dos interesses de nossa infância e juventude.

Não podemos deixar de refletir sobre esse estado de coisas. Particularmente, o professorado deveria debater o caso com o povo, despertando-lhe a consciência amortecida e, com isto, ir criando condições para um amplo movimento popular visando exigir mudanças estruturais e punir os responsáveis pela catástrofe educacional. Que bom será quando o professorado paulista, coletivamente, decidir enfrentar pra valer o governo, a exemplo do que vem acontecendo em outros estados – Minas, Rio Grande do Norte, Ceará e outros.

Não se pode também desconhecer que o rebaixamento do padrão do ensino público tinha e tem também outro objetivo - muito perseguido e aplicado pelo tucanato no país inteiro: forçar o povo a procurar escolas particulares. Em outras palavras, para os tucanos (não apenas eles) o ensino deixa de ser um direito do cidadão e passa ser mera mercadoria, que deve trazer lucro para os empresários em vez de cultura para o povo. O que se passa na educação é válido também para outras áreas, como a saúde pública esfacelada e em processo avançado de privatização, o transporte, a telefonia, a energia elétrica, a Previdência Social. Agora, com Dilma, já temos também a privatização dos portos e aeroportos.

Enquanto deixam de aplicar o dinheiro dos impostos nas áreas vitais para o povo, os governantes vão despejando grandes quantias em obras faraônicas particulares, como estádios de futebol (em São Paulo, garantindo a estrutura complementar ao estádio do Corinthians) e em outras regiões, como a transposição do “Velho Chico”, construção de barragens predatórias e outras picaretagens que favorecem grandes empresas, sonegando os investimentos nas áreas de interesse popular e nacional. Tudo para favorecer criminosamente o capital espoliador.

Alckmin não está realmente preocupado com a qualidade de vida da infância e da juventude, o que vem mostrando ao longo dos seus mandatos. Está preocupado com sua carreira política. Por isto, as medidas anunciadas são meramente paliativas e, como tais, enganosas.

Waldemar Rossi é metalúrgico aposentado e coordenador da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo.




...© 2011 Criado por LUTA PELA EDUCAÇÃO.

Fatos Históricos, Políticos, Sociais, Artísticos e Literários

Em 28 de dezembro de 1903 - Nasceu o pianista norte americano , especialista e jazz Earl Hines.

Em 28 de dezembro de 1911 - O médico chinês Sun Yat-Sen, fundador do Partido Nacionalista da China o Koumitang, tornou-se o primeiro presidente da China.

Em 28 de dezembro de 1924 - Nasceu o ex-presidente de Uganda Milton Obote

Coluna Prestes
Em 28 de dezembro de 1925 - A Coluna Prestes, chegou nas cercânias da cidade de Terezina no Piauí-Brasil.


Em 28 de dezembro de 1936 - O Supremo Tribunal Militar negou aos membros da Ação Brasileira, o habeas-corpus impetrados, em consequência da prisão de seus membros.
Em 28 de dezembro de 1965 - O presidente do Vietnã do Norte, rejeitou as negociações de Paz, oferecida pelos Estados Unidos da América.

Familia Teles
Em 28 de dezembro de 1972 - Cesar Teles e a sua esposa Maria Amélia Telis (Amelinha), filiados ao PC-do-B - Partido Comunista do Brasil, foram presos juntamente com o dirigente do PC-doB, Carlos Nicolau Danielli.

Carlos Danielli
Dirigente do PC-do B

Em 28 de dezembro de 1972 - Cesar Teles, Melinha e Carlos Nicolau Danielli, foram torturados, pela Operação OBAN, no DOI-CODI, sob o comando do Major Carlos Alberto Brilhante Ustra, na oportunidade Carlos Danielli, foi assassinado. E Cesar e Melinha foram torturados e noutro dia ou seja 29 de dezembro de 1972, os policiais levaram os seus filhos Edson e Janaina, para assistir a tortura.
Os filhos do casal hoje superaram o trauma, e entraram na justiça processando o Major Ustra.
Nos docmuentos, Relatorío da Aeronáutica e Marinha, Carlos Danielli, trocou tiros com a polícia foi ferido e morreu a ciminho do hospital. Já o exercito não cita o morto em seu relatório.

*Carlos Danielli, pertenceu também ao Comitê Central do PCB, em 1954. Foi na verdade preso pelos agentes do DOI-CODI, na Rua Loefgreen, na Vila Mariana em São Paulo, e foi torturado por Carlos Alberto Brilhante Ustra, o Capitão Dalmo Lúcio Muniz Cirillo e o Capitão Ubirajara o codinome do Delegado de Polícia Aparecido Laerte Calandra.


Em 28 de dezembro de 1975 - Foi entoado pela primeira vez, o Hino do Timor Leste
Em 28 de dezembro de 1992 - Foi assassinada a atriz Daniela Perez, pelo ex-ator Guilherme de Pádua.

Manoel Messias Pereira

Manoel Messias Pereira
perfil

Pesquisar este blog

Seguidores

Arquivo do blog